22 de janeiro de 2009

Retalho

Assim, Carlos, por uns tempos, trabalhou, comeu e dormiu por entre as cinzas da Grande Fábrica Panificadora na Grande Cidade. Pegava no serviço às oito da noite e não o largava antes de o sol retomar a sua descida. O seu trabalho consistia em alimentar a enorme fornalha e limpar a escória sobejante, alimentar a enorme fornalha, limpar a escória sobejante, alimentar a enorme fornalha e limpar a escória sobejante. Enquanto se ocupava destas tarefas, outros homens encostavam-se às mesas de pedra e amassavam farinha, amassavam farinha, davam-lhe forma, davam-lhe forma, amassavam farinha, amassavam farinha, davam-lhe forma, davam-lhe forma. Os braços dos trabalhadores e o calor da fornalha produziam os únicos sons: ninguém dizia palavra, o que seria, aliás, inútil, se ninguém falava a mesma língua.

3 comments:

Zé Nuno 23 de janeiro de 2009 às 13:30  

É no que dá ter chineses, ucranianos e tailandeses... :)

once 12 de fevereiro de 2009 às 12:26  

brutal ..!

Já me perdi por aqui nos retalhos, todos, sem excepção, de um desconcerto amargo.
Mas .. muito, muito bem escritos.

Ogait 12 de fevereiro de 2009 às 13:42  

Obrigado, Once, perca-se sempre.

  © Blogger templates The Professional Template by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP  

blogaqui?
Web Pages referring to this page
Link to this page and get a link back!